quarta-feira, 3 de março de 2010

Sonhos...

E hoje sonhei…
Sonhei que apenas te batia à porta para te entregar o livro que há muito me emprestaste… Imaginei que o odor adocicado das fragrâncias que tanto usas, me embriagava e me fazia flutuar ao ritmo do som que também escutavas. Julguei que perante o ambiente tão maravilhosamente recriado, me cumprimentarias e convidarias a entrar, aguardando que a minha presença te mimasse e alimentasse do mesmo modo.
Foi bom sonhar, ver-te descontraída a meu lado, produzindo o mais perfeito cenário que alguma vez me poderias fazer viver…
Sentada sobre as pernas, tocavas-te naturalmente, sentindo a própria pele pelo tactear dos dedos, percorrendo os braços, as pernas, contornando os joelhos, massajando delicadamente os pés…
Cada novo toque, quase me parecia alcançar, preencher, realizar…
Olhavas-me de soslaio, garantindo na perfeição, toda a inquietação a que inocentemente me submetias. Excitava-me ver-te assim, calma e tranquila, contrastando incrivelmente com o turbilhão de emoções que cá dentro me percorria e desassossegava. O entusiasmo era evidente, vibrante, passível de despertar os sentimentos a quem quer que te observasse.
A sede de te tocar e sentir, tornava-se insuportável… Lentamente e quase sem dar conta, estaria a teu lado, partilhando o mesmo toque na mesma pele, fazendo uso dela para te mimar e me satisfazer.. Tocar-te-ia nas coxas, nádegas, contornando cada porção do teu corpo e procurando ardentemente o teu lado mais íntimo e apetecível.
O beijo, esse, surgiria por arrasto, aliado a um olhar inocente, atrevido e audaz. As carícias a que a ti própria cometerias, aquecer-me-iam mais intensamente, deixando-me rendido à tua própria nudez e calor corporal. No êxtase de um mero beijo, a sofreguidão seria plenamente sentida, proporcionando aos nossos sexos, todo o desejo que deles faria parte. Tocar-me-ias na erecção do meu membro, massajando-o com a provocação de um olhar matreiro… Rejubilaria de prazer ao senti-lo no calor da tua boca, misturado com o quente, o húmido e a excitante habilidade com que nele te divertirias.
Com os testículos túrgidos e um pau rendido aos encantos e mestria da tua existência no meu ser, sentir-te-ia os seios pelas minhas mãos, apertando os mamilos deliciosamente espetados e a mim entregues. Já deitados, dar-te-ia o meu melhor, penetrando-te ternamente, beijando-te e acariciando-te com todo o amor que me merecerias. Adoraria sentir-te louca, puxando-me a cada estocada, sempre com a vontade de me desejares mais profundamente. A humidade com que te receberia, iria bem para lá de uma experiência meramente física, unindo-nos através da virilidade de um prazer, que em ambos sempre existiu.
A estranha sensação de te purificar, surgiria em cada nova investida, fazendo de ti o mais perfeito uso para a libertação da minha rigidez. Os arrepios tornar-se-iam contagiantes, repartidos, vividos com intensidade…
Deitar-me-ias sobre o chão, enterrando-te no meu corpo e segurando-me como se fizesse parte da tua composição. Prender-te-ia pelas ancas, definindo movimentos, fazendo-te rodar sobre mim, roçando-te pelos restantes pedaços da minha pele…
Inclinar-te-ia, obrigando-te a ofereceres-me os teus seios, tocando-lhes e mexendo-lhes em cada novo gesto sob o teu corpo. As tuas mãos inquietas, abrir-se-iam sobre o teu ventre, sempre com a ânsia e o secreto desejo de também assim, o sentires movimentar-se no teu interior.
Virar-te-ia de seguida, querendo-te por trás, com força, tesão, volúpia e ainda mais desejo. As tuas mãos inquietas alcançar-me-iam o escroto, massajando e entalando o meu sexo totalmente preenchido pela tua satisfação. Sentir-lhe-ias a grossura, completando-te e dando-te na perfeição, tudo aquilo que te define enquanto mulher. Estremecerias, provocarias, gemendo comigo…
Agarrar-te-ias ao que nos rodeasse, na impossibilidade de te conteres. A vontade de explodires em mim seria tremenda, desejando a todo o custo a perfeição de um único, mas intenso orgasmo. As contracções denunciar-te-iam, apertando-me, sentindo-o latejar no teu íntimo, antevendo o melhor dos momentos. Por fim, a gula e a sede de ambos os corpos, saciar-se-ia, juntando-se, fundindo-se e colocando-nos em torno de uma mesma união.
Sim, confesso que sonhei na mais completa fantasia de um dia assim te consumir. Quero-te num sonho real… Surges-me? Agradecer-te-ei… Raquel!

7 comentários:

Pekenina disse...

Sempre requintado de ler...

desejo disse...

"As tuas mãos inquietas alcançar-me-iam o escroto, massajando e entalando o meu sexo totalmente preenchido pela tua satisfação."

"As contracções denunciar-te-iam, apertando-me, sentindo-o latejar no teu íntimo, antevendo o melhor dos momentos"


Loucos e intensos desejos.
Cada escrita tua, cada sonho, cada imagem, cada pormenor...

Diana

Felina disse...

Intenso... envolvente... por demais tentador...
(raquel surge...)

Srtª Mark's disse...

Q delicia...


:P

Bjs!!

Anónimo disse...

Cada acto é descrito com imenso pormenor e paixão. Como se houvesse uma união do teu prazer com o prazer de Raquel.
Raquel surge-te em sonho mas existe? será uma premonição? Será que sonhos eroticos se conseguem transformar em realidade?
A ver vamos pela tua escrita...

NM disse...

A ver vamos... Será?
Que a escrita flua!
Muito obrigado pelo comentário.
NM

Nany C. disse...

Sempre deliciosamente profindo... adoro isto...

Saudades meu amigo... saudades...
Beijos em teu coração!


WebCounter.com